Alerta do IBGE faz Via Varejo, Magalu e B2W reascenderem na B3

Chegada do serviço Amazon Prime ao Brasil fez a Via Varejo, Magalu e B2W caírem num dia na bolsa, mas se levantarem no dia seguinte, graças a um indicativo positivo e divulgado pelo IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou recentemente que há um forte indício de que o terceiro trimestre de 2019 possa ter começado melhor do que o esperado. Com isso, as principais varejistas do país conseguiram se recuperar na bolsa logo após este comunicado.

A ameaça que poderia ocorrer com a chegada do serviço Prime da Amazon ao país, em relação aos concorrentes nacionais Magalu, Via Varejo e B2W ficou para trás.

Como foi a recuperação da Via Varejo, Magalu e B2W

Depois da divulgação do indicativo positivo do IBGE, as três principais varejistas voltaram a ascender no índice Ibovespa, na manhã do dia 11 de setembro. Na ocasião, o Magazine Luiza registrou um dos maiores ganhos do dia, com alta que ultrapassou os 3% e com ativos negociados a R$ 33,50.

A boa notícia também chegou à Via Varejo (detentora das marcas Casas Bahia e Ponto Frio), que teve seu passe valorizado em 2,8%. Atualmente, a empresa tem ficado em evidência no mercado por ter passado por mudanças em seu conselho administrativo, composto hoje pelo presidente Michael Klein (Casas Bahia); o presidente-executivo da Via Varejo; por Alberto Guth, da Angra Partners; e Renato Carvalho, sócio da Laplace.

Por fim, a B2W avançou 2,75%, além do GPA, que alavancou cerca de 3,3% e também se beneficiou deste panorama financeiro.

Acumulado da semana

No entanto, no acumulado da mesma semana, as ações dessas empresas ainda tiveram que lidar com perdas. Sendo assim, o cenário se apresentou da seguinte forma: B2W teve retração de 7,6%, seguido pelo Magazine Luiza com 5,5% e recuo de 5,2% da Via Varejo.

Apesar dos indicativos de retração no acumulado daquela semana, Ronaldo Guimarães, sócio-diretor do banco digital Modalmais, afirmou em nota na ocasião que essas referências, na verdade, eram positivas. Para ele, as notícias devem pelo menos gerar dúvida, em relação às projeções consideradas mais pessimistas de retração para o mercado financeiro ao longo do terceiro trimestre. E fechou sua nota com a afirmação:

“Por enquanto, na espera de mais sinais que confirmem esse maior vigor da atividade econômica, mantemos nossa projeção de +0,1% para o PIB do 3º trimestre e +0,8% para o PIB de 2019”.

Será que a Amazon Prime é uma ameaça?

Bastou acontecer a divulgação da chegada do serviço Prime da Amazon em território brasileiro para que as ações das principais companhias de varejo do país caíssem na B3. Atrelado aos motivos que levou a esta queda estava que a gigante norte-americana oferece frete grátis pelo período de 48h em 90 cidades, para os clientes que assinarem o pacote mensal de R$ 9,90. Com isso, os papéis do Magalu despencaram 5,5%, seguido pela B2W, com 4,8% e a Via Varejo, com 3,7%.

No entanto, a Amazon ainda não possui um planejamento logístico para brigar com seus principais concorrentes, principalmente com o Magazine Luiza. Em recente greve, já encerrada, dos Correios, a empresa americana já sentiu o gostinho de como é atrasar suas entregas.

Na visão de especialistas do setor, a Amazon Prime não indica ser uma ameaça de fato aos negócios do Magazine Luiza, Via Varejo e B2W e de outras varejistas do país. Pois, para eles, tais companhias já possuem a expertise logística necessária do mercado nacional.  

Fonte: Revista EXAME

*Foto: Divulgação