Cemig conclui venda de participação na Renova Energia à AP Energias Renováveis

A conclusão ocorreu no dia 5 de maio e agora a Companhia Energética de Minas Gerais não possui mais nenhum vínculo com a geradora de energia

No dia 5 de maio, a Cemig GT, pertencente à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) concluiu o processo de alienação da totalidade de sua participação societária detida no capital social da Renova Energia, que se encontra em recuperação judicial desde 2019. Isso inclui também a cessão de modo oneroso da totalidade de seus créditos detidos em face da Renova Comercializadora pelo valor de R$ 60 milhões.

Ainda houve o recebimento de earn-out pela Cemig GT, condicionado a eventos futuros, com o AP Energias Renováveis Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, administrado e gerido pela Mantiq Investimentos Ltda. Ela é a gestora de fundos do grupo gerido por Alberto Guth, a Angra Partners.

Venda de participação na Renova Energia concluída

Sendo assim, agora a Cemig GT não possui mais nenhum vínculo com a geradora de energia, uma vez que deixou de ser titular de quaisquer ações de emissão da Renova.

A operação já havia sido anunciada em novembro de 2021.

Vale lembrar que antes da transação, a companhia detinha 13,8% das ações da Renova. Era a segunda maior sócia, atrás apenas de Ricardo Delneri, que detinha 25,34% do capital social – e é também o principal sócio da 2W Energia. 

Delneri

Além disso, a Renova informou também que a Delneri vendeu a totalidade das suas ações vinculadas ao bloco de controle aos sócios Renato Amaral e Caetité Participações. Até então, eles tinham 11,4% e 8,33% da empresa, respectivamente.

É o que revelam as posições do último formulário de referência arquivado pela Renova na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em setembro de 2021.

Programa de Desinvestimentos da Cemig

A estatal mineira afirma que a operação de venda das ações entra no contexto de execução do Programa de Desinvestimentos da Cemig. Neste caso, o objetivo é redirecionar os esforços de gestão e a alocação de capital para melhorar a qualidade do serviço de geração, transmissão e distribuição de energia no estado de Minas Gerais.

Por fim, a Renova concluiu recentemente as obras da fase A do complexo Alto sertão III, com sete anos de atraso.