Comunidade rural de Curvelo: cursos ajudam pessoas a se reorganizar

Comunidade rural de Curvelo tem a chance de conquistar melhores qualificações

Desde 2019, estudantes de comunidades rurais de Curvelo (de Estiva, Poções e Currais) vem sendo impactados pelo curso de Gestão de Pessoas do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, por meio do Sindicato Rural de Curvelo.

Comunidade rural de Curvelo – oportunidades

A partir do treinamento questões importantes do cotidiano vieram à tona, como: “o que podemos fazer para melhorar a comunidade onde moramos?”, e que fazem a diferença até hoje.

Entre as ideias de destaque está a Feira da Estiva, uma comissão voluntária e responsável pela organização, criada por meio de votação entre os alunos. Desde sua criação, os estudantes e integrantes da comissão: Bárbara Roberta, Ingredy Eduarda Rodrigues e Marcos Túlio dos Reis Caldeira, reuniram líderes dessas comunidades e pediram apoio para que o projeto da feira e outros de cunho social saíssem do papel.

E deu certo. Segundo Ingredy, os cursos sobre noções de empreendedorismo, funções administrativas, liderança, trabalho em equipe e comunicação assertiva fizeram a diferença para muitos.

“O objetivo era único, de ajudar na comercialização dos produtos da mão de obra rural, mas são realidades diferentes e as particularidades precisam ser respeitadas.”

Motivação

Além disso, a questão motivacional também foi percebida como ponto positivo para a comunidade rural de Curvelo, acrescenta Ingredy. Ela fala, especialmente, sobre os cursos nas áreas de artesanato e alimentação.

“São comunidades que acolhem moradores de perfil muito simples. Tamanha humildade não permitia que sentissem orgulho de si mesmos, nem de seus produtos. Os cursos do SENAR Minas fizeram com que eles enxergassem valor agregado, trouxeram mais união entre os moradores e mudaram a perspectiva de vida deles. Hoje, todos aprenderam a como levar mais qualidade e aumentar a renda familiar, usando de seus conhecimentos e implantando as técnicas que aprenderam.”

Mobilização virtual na pandemia

Entretanto, mesmo com a pandemia, não foi motivo para brecarem de todo o projeto. Interromperam as atividades presenciais. Porém, criaram um grupo, o maior da região, com direito a app virtual e conseguiram mobilizar mais de 240 pessoas. O objetivo neste caso foi divulgar os produtos para que a renda dos colegas não ficasse comprometida. Em modo online, foi possível circular fotos da farinha de mandioca, polvilho doce artesanal, biscoitos, doces, queijo, requeijão caseiro, e ainda de hortaliças, frangos e bolos.

Ingredy revela que a demanda cresceu muito neste período e se diz orgulhosa, mostrando os certificados. Para ela, histórias assim são a prova e concretização de um sonho. E de enquanto sindicato, proporcionar o empoderamento comunitário rural por meio da oferta dos conhecimentos necessários para que as mudanças aconteçam, o que inclui a geração de renda, destaca Janaína Rodrigues, mobilizadora pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Curvelo.

Para maior organização da Feira, algumas regras foram implementadas:

  • Os feirantes tem como princípio respeitar seus concorrentes e clientes;
  • Os feirantes que porventura forem vender o mesmo produto de outro produtor;
  • Cada feirante é responsável pelos seus próprios produtos e por zelar seu espaço.

*Foto: Reprodução/TJMG