Geloteca criada por líder comunitária incentiva leitura na ZO de SP

 Viviany Neve, 37 anos, é líder comunitária no Pelourinho, uma ocupação da zona oeste de São Paulo. Por ser apaixonada por leitura desde pequena, ela já tinha o desejo de criar um espaço cultural no local onde vive. O sonho virou realidade e assim nasceu a geloteca, uma geladeira cheia de livros, situada logo na entrada da comunidade (na avenida Engenheiro Heitor Eiras Garcia,  7443).

Criada em 2015, a ocupação fica no entorno do Condomínio Franca, iniciativa do Minha Casa, Minha Vida. O nome é em homenagem ao bairro da cidade de Salvador, na Bahia, e conta hoje com 138 famílias.

Criação da geloteca

Viviany contou com a ajuda de alunos do curso de Gestão de Recursos Humanos da Universidade São Judas Tadeu para conseguir criar sua tão sonhada geloteca. À Folha, ela afirma:

“É um sonho primitivo, foi uma das primeiras coisas culturais que eu imaginei.”

A iniciativa recebeu doações de livros pelos alunos. Já a geladeira veio de conhecidos da líder comunitária. A ideia é que quem pegue um livro possa compensar com a doação de outro.

Ela revela que uma de suas inquietações sempre foi o acesso à cultura e diz que os jovens do bairro possuem pouco contato com locais que fomentam a crítica, como por exemplo, uma simples biblioteca ou sala de cinema:

“As pessoas não têm acesso à cultura no bairro, porque normalmente o lugar que tem, é preciso se deslocar e pagar para frequentar. Muitos possuem dificuldades financeiras para esse tipo de acesso.”

Praça do Saber

Com a implantação da geloteca na comunidade, os moradores pediram à subprefeitura do Butantã que o local seja batizado de “Praça do Saber”. Antigamente, o lugar era ponto de despejo de lixo e, com a ajuda dos habitantes, se tornou um ecoponto.

Viviany deseja agora que mais geletocas sejam espalhadas por todo o bairro:

“Quero colocar uma geladeira em cada praça do Jardim João XXIII, e chegar sei lá, até a Rua Barão de Itapetininga.”

E ressalta:

“Todo o esforço valeu a pena. As crianças leem e pedem para o pai ler, a mãe, o irmão mais velho, e aí eu vejo que consegui atingir o objetivo, que é o incentivo à leitura.”

Prestadora de serviços de limpeza

Além disso, a líder comunitária também atua na prestação de serviços de limpeza. Criada na zona oeste da capital paulista, ela também residiu na zona sul em cidades como Embu das Artes e Taboão da Serra, na Grande São Paulo.

Ela conta que o início na ocupação foi desafiador, com “momentos engraçados como pedir pizza porque não sabiam como chegavam aqui”.

Com a saída de antigos participantes, ela foi eleita uma das líderes da ocupação. Viviany deseja no futuro que a Vila Pelourinho seja regularizada. Assim, todos poderão ter a casa própria e que mais projetos sejam implementados também, além da geloteca.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação / Luanna Romão – Agência Mural/Folhapress