Justiça e MEC aprovam R$ 10 mi à pesquisa em segurança pública

Programa de segurança pública vai focar em pesquisas na área de tecnologia; quantidade de bolsas ainda não foi estabelecida

Os ministérios da Justiça e Educação divulgaram nesta quarta-feira (8) a aprovação de R$ 10,1 milhões destinados a bolsas de mestrado, doutorado ou pós-doutorado que tenham como foco a segurança pública do país.

De acordo com Sergio Moro, ministro da Justiça, a iniciativa do Procad (Programa Nacional de Cooperação Acadêmica) em Segurança Pública e Ciências Forenses é que as pesquisas sejam realizadas na área de tecnologia e não de ordem jurídica. Em evento no MEC nesta quarta, ele afirmou:

“É importante destacar que não são bolsas para áreas de estudo jurídico, embora possa haver [pesquisa nesse campo]. O nosso interesse é na área da tecnologia.”

Pesquisa acadêmica em segurança pública

O valor das bolsas será bancado por vários órgãos, confirma o MEC. Entre as entidades, a Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública) arcará com R$ 6 milhões, a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) com R$ 2 milhões e a Polícia Federal com outros R$ 2,1 milhões.

Já a quantidade de bolsas oferecidas pelo programa ainda não foi estipulado, de acordo com Abraham Weintraub, ministro da Educação. Ele afirma que o total de recursos será disponibilizado conforme o número de mestrandos, doutorandos e pós-doutorandos que forem aprovados, já que as bolsas possuem valores diferentes.

Para o mestrado, serão R$ 1.500 mensais, ao passo que para o doutorado o valor é de R$ 2.200 e para pós-doutorado, R$ 4.100. Estes são os valores pagos pela Capes para bolsas de todas as áreas. Weintraub ressalta que:

“Se forem principalmente mestrados, dá mais de 200 bolsas.”

Edital

Também ainda não foi publicado o edital para a adesão ao programa de pesquisa em segurança pública.

O MEC diz que ele deve sair nas próximas semanas. Após isso, coordenadores de cursos credenciados pela Capes poderão inscrever projetos sobre o tema, que devem passar por processo de seleção.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação