navio da revolta da armada será estudado por decisão do iphan
História

Navio da Revolta da Armada será estudado por decisão do Iphan

Iphan estabelece que o navio da Revolta da Armada, naufragado em Itajaí, seja pesquisado e que a Superintendência do Porto da cidade arque com todos os custos da análise de arqueologia subaquática

O navio Pallas, que participou da Revolta da Armada, no final do século, será estudado por determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O instituto ainda ressaltou que a Superintendência do Porto de Itajaí, cidade onde a embarcação naufragou, seja a responsável por custear toda pesquisa. De acordo com, relatos históricos, o navio foi tomado por marinheiros revoltosos, mas acabou encalhado na foz do Rio Itajaí-Açu, em 1893, há exatos 126 anos.

Descobrimento do navio pertencente à Revolta da Armada

Os escombros da embarcação Pallas foram descobertos durante as obras da nova bacia de evolução dos portos de Itajaí e Navegantes, ambos no estado de Santa Catarina e que são áreas de manobras dos navios. Em julho de 2018, o Porto de Itajaí divulgou a conclusão de uma pesquisa, encomendada à Univali (Universidade do Vale do Itajaí), que conectou imagens realizadas por mergulhadores com documentos e dados históricos.

Conclusão do estudo

A pesquisa concluiu que o navio que integrou a Revolta da Armada no século 19 estava bastante degradada por conta de estar há muitos anos no fundo rio. Foi em função disso, que na ocasião foi descartada a possibilidade e necessidade de um estudo arqueológico sobre a embarcação. Na época, a justificativa para dispensa de análise foi que teria um alto custo, além de não haver uma garantia de que fosse bem-sucedida.

Decisão do Iphan

No entanto, o Iphan compreende de que é preciso realizar um trabalho especializado que defina o que pode ou não ser preservado do navio pertencente à Revolta da Armada. A decisão veio de Brasília, local onde já tramitava uma solicitação do Porto de Itajaí feito à Marinha, para que fosse feito a retirada dos escombros da embarcação Pallas do fundo do rio.

História do naufrágio do navio da Revolta da Armada

O Pallas foi um navio para uso frigorífico, que possuía um sistema de conservação de carnes com amônia. Na época da Revolta da Armada, em 1893, ele foi tomado como garantia de suprimento pelos marinheiros que estavam contra as atitudes do então presidente, marechal Floriano Peixoto.

Além disso, jamais foi bem explicado como se deu o naufrágio do navio Pallas. Na noite de 25 de outubro de 1893, data em que aconteceu o acidente, segundo documentos daquele tempo, havia boas condições de navegação para ele seguir em frente, além de não ter havido vítimas. Porém, como os responsáveis pelo naufrágio foram anistiados, uma investigação mais aprofundada do caso jamais foi realizada.

Jornais daquele período chegaram a noticiar que o Pallas foi saqueado. E de fato, em função das imagens captadas por mergulhadores, provam que o navio da Revolta da Armada está partido ao meio, localizado no leito do rio.

Agora, a Superintendência do Porto de Itajaí procura fazer uma licitação com orçamento capaz de realizar o estudo de arqueologia subaquática.

Fonte: Portal NSC Total

*Foto: Reprodução

Postagens relacionadas

Fases do barroco são vistas em igrejas de Mariana (MG)

Município Assessoria

Tombamento na Vila Mariana: Conselho do Patrimônio da cidade de SP aprova

Município Assessoria

MAM-BA: reforma pode ameaçar projeto de Lina Bo Bardi

Município Assessoria

Mostra sobre Antonio Dias segue até março no MAM-SP

Município Assessoria

Campo Grande completa 120 anos neste mês

Município Assessoria

Casarões antigos no Rio abrigam história do design

Município Assessoria