Os fatos mais marcantes e interessantes das aberturas das olimpíadas
História

Os fatos mais marcantes e interessantes das aberturas das olimpíadas

Além de sere um evento esportivo importante para o mundo, as olimpíadas são marcadas por símbolos, inovações, e fatos interessantes que extrapolam o esporte. A cada quatro anos, todo o mundo se mobiliza para assistir à sua cerimônia de abertura.

A Origem das Olimpíadas

Os primeiros jogos olímpicos aconteceram em Olímpia, na Grécia, em 776 A.C. quando surgiu, os jogos tinham por objetivo o culto aos deuses do Olimpo, enaltecendo os atributos dos atletas.

Os cidadãos competiam entre si para ver quem conseguia demostrar maior respeito às divindades. Por muito tempo, a única modalidade existente era a corrida “stadión”, que se assemelhava à tradicional e atual prova de atletismo de 200 metros rasos.

Os jogos chegaram a ser banidos durante um período pelo imperados romano Teodósio, que se converteu ao cristianismo e entendia as Olimpíadas como uma festa pagã.

A cerimônia de abertura dos jogos

As apresentações durante a abertura dos jogos se tornaram um dos momentos mais esperados pelo público. No início, eram festas simples e com o tempo foram ganhando notoriedade e passaram a ser grandes produções caríssimas.

A cerimônia de abertura passou a ser um momento em que a nação anfitriã tem a oportunidade de mostrar e enaltecer mais do seu país como cultura, origens e símbolos. A cada ano, os países estão cada vez mais atentos em entregar entretenimento de qualidade nestas cerimônias.

Aberturas mais marcantes das Olimpíadas modernas

Reunimos as cerimônias mais marcantes da era moderna das Olimpíadas e seus diferenciais

1 – Berlim (Alemanha) – 1936

Foi nas Olimpíadas de Berlim, em 1936 que ocorreu o primeiro revezamento de tocha, ato tão famoso atualmente. O revezamento passou por 7 países, saindo da Grécia até chegar no país-sede, percurso que durou 12 dias.

Os fatos mais marcantes e interessantes das aberturas das olimpíadas - Berlim 1936

O revezamento foi criado por Carl Diem, secretário geral do comitê Olímpico e teve como inspiração a cultura grega antiga, que tinha o fogo como elemento sagrado.

2 – Tóquio (Japão) – 1964

Os jogos que ocorreram na cidade de Tóquio foram os primeiros transmitidos em tempo real com imagens coloridas para a Europa e América do norte via satélite, essa foi uma transformação importante no alcance dos jogos olímpicos, que atingiram outro patamar desde então.

Também neste ano, houve um fato bastante interessante: O responsável por acender a pira olímpica foi Yoshinori Sakai, nascido no dia em que Hiroshima foi bombardeada pelos EUA.

3 – Rio de Janeiro (Brasil) – 2016

No ano em que o Brasil foi o anfitrião dos jogos Olímpicos, o desfile da top model número 1 do mundo fez o mundo parar. Gisele Bündchen interpretou a famosa garota de Ipanema por uma passarela de 128 metros em um vestido prateado assinado por Alexandre Herchcovitch.

O que deixou a cerimônia ainda mais especial foi a música sendo interpretada por Daniel Jobim, neto de um dos criadores de “Garota de Ipanema”.

4 – Barcelona (Espanha) – 1992

A abertura dos jogos em Barcelona contou com um feito inédito no quesito da pira olímpica. Por 10 meses, a equipe organizadora do evento, que reuniu grandes nomes como Chu Uroz, Toni Miró, Lluis Bassat e Josep Carreras, selecionou centenas de candidatos para acender a pira olímpica usando arco e flecha, um feito bastante ousado e nunca realizado antes.

O selecionado foi arqueiro espanhol Antonio Rebollo. Na data de abertura ele aparentemente conseguiu, de fato, acender a tocha com um arco e flechas, mas ainda há controvérsias se foi o fogo da flecha ou se a tocha acendeu automaticamente.

5 – Sydney (Austrália) – 2000

O meio ambiente já é uma preocupação antiga e foi nas Olimpíadas de Sydney que este assunto começou a tomar proporções mundiais. Na cerimônia de abertura deste ano, deixou-se um pouco de lado a história e tradições do país para focar na questão ambiental. Toda a Vila Olímpica foi construída com materiais menos poluentes e a organização contou com o auxílio do Greenpeace para garantir a sustentabilidade do evento.

A Baía de Homebush era considerada poluída e, para as olimpíadas, houve um intenso trabalho de despoluição, que incentivou a construção do parque olímpico em seus arredores. Essa edição ficou conhecida como jogos verdes.

Foto/Reprodução: Unsplash

Postagens relacionadas

Masp volta a dar espaço para a dança-teatro

Município Assessoria

Museu Dom Aquino: conheça mais a história do lugar

Município Assessoria

Projeto Oficinas do MAM-BA marca 40 anos de contribuições de Lina Bo Bardi

Município Assessoria

Fases do barroco são vistas em igrejas de Mariana (MG)

Município Assessoria

Colônia Juliano Moreira ganha exposição histórica no Rio

Município Assessoria

Conheça mais sobre o museu MHN-UFAL

Município Assessoria