Projeto Oficinas do MAM-BA marca 40 anos de contribuições de Lina Bo Bardi

Além do seminário Oficinas do MAM-BA, a arquiteta também contribuiu para os 60 anos do museu baiano

Um seminário de abertura do projeto Oficinas do MAM-BA comemora as contribuições da arquiteta Lina Bo Bardi: os 40 anos das Oficinas do MAM-BA e os 60 anos do museu.

O evento conta com a participação de três grandes artistas que deixaram suas marcas na história Doda instituição: Chico Liberato, Juarez Paraíso e Pasqualino Magnavita. O seminário acontece no dia 27 de novembro, às 17 horas. Ele contará com transmissão ao vivo pelo site www.oficinasdomam.com.br e pelo canal do Oficinas do MAM no YouTube.

Seminário Oficinas do MAM-BA

O seminário saiu do papel graças à intervenção dos artistas convidados, que são os responsáveis pela criação das “Oficinas de Arte em Série”. Este era o nome do projeto no final da década de 70, antes de receber se tornar “Oficinas do MAM”.

Portanto, o evento de comemoração será uma chance única para relembrar a trajetória e registrar a memória desta importante instituição de arte brasileira.

Além disso, o seminário contará com intérpretes de libras, para tornar mais democrático e inclusivo o conhecimento em torno do universo artístico e também da importância histórica e cultural do MAM. Atualmente, o espaço é administrado pelo IPAC.

Instituto Bardi

O seminário também terá a participação do conselheiro Instituto Bardi, o arquiteto urbanista Renato Anelli. Ele abordará a relevante contribuição da primeira diretora do MAM-BA, Lina Bo Bardi.

O evento abre o projeto Oficinas do MAM-BA, comemorando as contribuições de Lina Bo Bardi. A arquiteta foi a responsável pela restauração de todo o acervo arquitetônico do Solar do Unhão, local onde foi instalado o Museu de Arte Moderna.

Patrocínio

O Oficinas do MAM-BA tem o patrocínio da SICOOB Seguradora e do BANCOOB, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. o projeto ainda conta com o apoio do Instituto SICOOB, do Museu de Arte Moderna da Bahia, do IPAC, e do Governo da Bahia; e realização da Trevo Produções, da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo e do Governo Federal.

Últimos 40 anos

Todavia, no decorrer dos últimos 40 anos as Oficinas do MAM formaram, profissionalizaram e colaboraram para o aperfeiçoamento de centenas de artistas. Muitos deles utilizaram as instalações do museu para produzirem seus próprios projetos. Isso porque os equipamentos ali instalados são de difícil obtenção pelos seus custos e espaços requeridos.

Artistas do Oficinas do MAM-BA

Contudo, as oficinas artísticas do MAM-BA já formaram grandes artistas, como: Chico Liberato, Heitor Reis, Solange Farkas, Stella Carrozzo, Marcelo Rezende, Zivé Giudice, Florival Oliveira, Justino Marinho, Francisco Liberato, Zú Campos, Juarez Paraíso, Antônio Portela, Danillo Barata, Eliane Muniz, Felix Toro, entre outros.

Antes do museu

O local onde fica a instituição de arte já foi: engenho de cana-de-açúcar, residência de famílias abastadas, entreposto comercial, fábrica de fumo e tabaco, e de derivados de cacau, alambique, trapiche, cortiço, depósito de combustível e de explosivo, quartel de fuzileiros navais (durante a segunda guerra), até se tornar grande celeiro das artes visuais na Bahia.

Toda esta história serviu como referência para a arquitetura do MAM. À época, Lina Bo Bardi, considerada uma italiana de ideias revolucionárias, e recém-chegada ao Brasil, dizia que este não era um museu, mas sim uma “Escola em Movimento”.

*Foto: Divulgação