Salários atrasados a rodoviários do ES: Justiça determina pagamento

Salários atrasados a rodoviários do ES serão pagos, conforme decisão liminar do Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo (TRT-ES), no dia 21

No último dia 21, o Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo (TRT-ES) decidiu que a empresa Metropolitana Transportes e Serviços Ltda — que opera no Sistema Transcol — comprove, no prazo de cinco dias, o pagamento dos salários vencidos dos meses de maio, junho e julho deste ano, e do tíquete-alimentação dos meses de agosto e setembro dos rodoviários. Caso os valores não sejam pagos no prazo determinado, a multa diária é de R$ 200 por dia para cada trabalhador.

Salários atrasados a rodoviários do ES

Para o pagamento dos salários atrasados a rodoviários do ES, a juíza Ângela Baptista Balliana Kock decidiu sobre a possibilidade de bloqueio das contas da empresa, em caso de falta de pagamento. Isso inclui ainda as contas dos sócios e do consórcio de empresas Atlântico Sul.

Sindirodoviários

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Espírito Santo (Sindirodoviários) havia entrado com o pedido na Justiça. A entidade alegou que a empresa, até o momento, não pagou os salários vencidos nem o ticket alimentação de agosto e setembro. O valor total em atraso seria em torno de R$ 1,5 milhão, e ainda do atraso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

GVBus

Segundo reportagem do periódico local A Gazeta, por meio do Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus), a Metropolitana Transportes e Serviços Ltda informou que não foi oficialmente notificada da decisão, por isso não iria se manifestar.

Protestos da categoria

Diante deste cenário de salários atrasados a rodoviários do ES, houve protestos da categoria. Um deles ocorreu no dia 20, com uma paralisação dos rodoviários que operam o Sistema Transcol.

Na ocasião, parte da frota só começou a circular após as 7h na Grande Vitória. Em um vídeo divulgado pelo Sindirodoviários, um representante disse que os veículos de seis empresas do consórcio Atlântico-Sul ficaram parados em protesto por salários atrasados em uma das empresas, a Metropolitana.

*Foto: Divulgação