Sindicato afirma que escolas integrarão programa Minas Consciente

O programa estadual de flexibilização Minas Consciente deve incluir também as escolas. A afirmação é da presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep-MG), Zuleica Reis. Ela participou na tarde desta terça-feira (25) de uma reunião com o Comitê Extraordinário COVID-19 do governo de Minas, na Cidade Administrativa. Sobre o encontro, ela disse:

“Não foi mencionado em qual onda do plano as escolas se incluiriam, nem a data concreta de quando isso poderia acontecer.”

Ela também ressaltou que o Comitê a respeito do Minas Consciente prometeu incluir as escolas na retomada com prioridade e, “assim que possível, com foco na educação infantil”.

Minas Consciente e Sinep-MG

Além disso, o Sinep-MG demonstrou preocupação em relação ao surgimento de escolas clandestinas desse segmento educacional. E também sobre o aparecimento de “hotéis” para crianças, que operam durante o período em que os pais estão no trabalho. Portanto, o sindicato sinaliza tudo isso como riscos à segurança e à saúde dos estudantes:

“O Sinep-MG também trouxe a preocupação com a saúde mental dos alunos, que tem apresentado, segundo as próprias escolas e professores, aumento da ansiedade e depressão.”

Previsão de retorno das atividades escolares

No entanto, a expectativa do sindicato era de que fosse estipulada uma previsão de retorno das atividades escolares. Com isso, aos poucos, o cotidiano dos estudantes poderia ser retomado também. Sendo assim, as redes de ensino poderiam organizar seus calendários. Q os pais teriam informações quanto ao ano letivo, além das férias escolares.

Apesar de não ter uma data definida, o Sinep-MG afirma que permanece junto à posição dos órgãos públicos, “não por um retorno a qualquer custo, mas no compartilhamento de informação e à espera de uma previsão segura para a retomada das atividades”.

Nota divulgada pela entidade

“Em mais de cinco meses de paralisação das aulas presenciais em Minas Gerais, o poder público não fez nenhuma menção a uma provável data de retorno, como ocorreu em diversos Estados que fazem o monitoramento diário e contínuo dos casos e dos índices de contaminação nas regiões. Uma previsão é fundamental para que as escolas e as famílias possam se organizar com antecedência. Como dito em todos os nossos comunicados enviados para as autoridades, poder público, diretores, professores, famílias e estudantes, o SinepMG não pretende antecipar ou pressionar o retorno das aulas presenciais, pois entendemos que essa decisão será definida pelos órgãos oficiais a partir dos dados que possuem da evolução da curva de crescimento e/ou de achatamento da Covid-19.”

Já em relação a uma previsão, o documento revela o seguinte:

“O que se solicita é uma previsão, para que as instituições de ensino e as famílias possam se organizar. Devido à insegurança de muitos pais em levar seus filhos à escola, mesmo quando for possível e autorizado um retorno, o SinepMG defende que o retorno às atividades presenciais possa ser feito de forma opcional, sendo mantido, por opção das famílias em diálogo com as escolas, a continuidade das atividades remotas. No cumprimento de determinações dos órgãos de saúde para garantir o direito à educação com qualidade, à proteção à vida e à saúde de estudantes, professores, funcionários e comunidade escolar, exclusivamente nesse período de excepcionalidade, o retorno, quando autorizado, seria opcional e cada instituição poderia tratar da adesão ou não ao retorno presencial junto às famílias, professores e funcionários, sem prejuízos à saúde e à educação.”

*Foto: Divulgação